Um pequeno guia para F.A. Hayek

Um pequeno guia para F.A. Hayek

Fabio Barbieri | 4 de dezembro de 2014

Foto por StefanoRR

A defesa da liberdade individual repousa, em última análise, no reconhecimento das limitações do nosso conhecimento.” (Hayek, The Constitution of Liberty)

Quem foi F.A. Hayek

Hayek, ao lado de Ludwig von Mises, foi figura central da escola austríaca de economia no século vinte. Sua vasta obra contém contribuições originais em campos diversos como teoria monetária, ciclos econômicos, capital, competição, evolução institucional, história das ideias, filosofia, política e psicologia teórica.

Nascido em uma família de cientistas, F. A. Hayek (1899-1992) doutorou-se na Universidade de Viena depois de servir na artilharia do exército austro-húngaro na Primeira Guerra Mundial.

Depois de trabalhar com Mises, Hayek foi diretor de um instituto para o estudo dos ciclos econômicos. Apresentou na London School of Economics seu desenvolvimento da teoria austríaca dos ciclos econômicos, vindo a lecionar nessa instituição até a década de quarenta, período no qual refina sua teoria de ciclos, desenvolve a teoria do capital, lidera o debate do cálculo econômico socialista e concebe sua crítica ao conceito de equilíbrio, que marca o desenvolvimento da teoria austríaca de processo de mercado.

Na década de cinquenta trabalha na Universidade de Chicago, onde seus escritos se tornaram mais interdisciplinares, investigando as bases filosóficas e institucionais de seu liberalismo e de sua crítica ao coletivismo. Em 1947 liderou a fundação e foi o primeiro presidente da Mont Pelerin Society, organização de intelectuais comprometidos com a causa da liberdade individual. Na década seguinte continua esse trabalho na Universidade de Freiburg, na Alemanha e Salzburg, Austria. Hayek Recebeu o Prêmio Nobel de Economia em 1974. Até idade avançada, continuou a produzir livros importantes. Faleceu em Frieburg em 1992.

Por que Hayek importa

Hayek foi um dos poucos economistas a oferecer um sistema explanatório amplo dos fenômenos sociais, que integra de forma coerente diversas disciplinas. Se um liberalismo sem conhecimento de economia tende a ser vazio, Hayek acredita que um economista que se atém apenas ao seu campo seria um péssimo economista.

Suas contribuições são unificadas por um tema central, o problema da coordenação das ações dos agentes: se o progresso requer progressiva especialização e portanto maior complexidade para compatibilizar todos os planos individuais, como poderíamos contornar o fato de que o conhecimento dos agentes é disperso, limitado e falível? Para responder a esse problema, Hayek nos oferece um liberalismo calcado no falibilismo: a única maneira de contornar as limitações do conhecimento é por meio de mecanismos descentralizados de aprendizado, que requerem a) liberdade para experimentação e b) um mecanismo de correção de erros.

Leia também

Nesse referencial se encaixa tanto o problema da emergência da ordem espontânea dos processos mentais, dos mercados, da evolução das instituições que promovem ou bloqueiam a formação dessa última ordem e das causas da descoordenação, como os ciclos econômicos.

Hayek importa porque nos oferece um liberalismo falibilista.

Se você puder ler somente uma coisa de Hayek 

Embora O Caminho da Servidão seja sua obra mais conhecida, os ensaios contidos em Individualism and Economic Order contêm alguns de seus ensaios mais fundamentais, como “Individualism: verdaeiro e falso”, “Economics and Knowledge”, “O uso do conhecimento na sociedade” e “The Meaning of Competitition”.

Disponível online

Principais obras:

Capital e Ciclos Econômicos
  • Monetary Theory and the Trade Cycle (1929): antes de elaborar a teoria austríaca dos ciclos econômicos (TACE), critica nesta obra as teorias alternativas existentes.
  • Prices and Production (1931): as quatro palestras proferidas em Londres nas quais desenvolve a TACE.
  • Profits, Interest and Investment: And other essays on the theory of industrial fluctuations (1939): reexposição da TACE enfatizando a teoria do capital e incluindo hipóteses de preços rígidos e desemprego.
  • The Pure Theory of Capital (1945): tentativa de desenvolvimento da teoria austríaca do capital.
  • A Tiger by the Tail (1972): análise da inflação da segunda metade do século vinte e do keynesianismo.
  • Desestatização do Dinheiro (1976): proposta de separação entre estado e dinheiro, com defesa de sistema de moedas competindo entre si.
Mercados e Socialismo
  • Individualism and Economic Order (1948): coletâneas de artigos sobre a concepção hayekiana sobre o funcionamento dos mercados e sobre o debate do cálculo econômico socialista.
  • A Arrogância Fatal: Os erros do socialismo (1988): análise das origens intelectuais e culturais do coletivismo. Tanto o racionalismo construtivista, que ignora os limites do conhecimento humano, quanto a moral tribal herdada culturalmente, que é incompatível com as regras impessoais exigidas por uma ordem social complexa, são utilizados para explicar o fascínio pelo socialismo.
Instituições, Política, Filosofia e Psicologia
  • O Caminho da Servidão (1944): obra na qual defende a tese de que a liberdade em geral não existe na ausência de liberdade econômica. Tentativas consistentes de planificar centralmente a economia levam ao totalitarismo.
  • The Sensory Order (1952): contribuição pioneira a teoria conexionista da mente.
  • The Counter-revolution of Science: Studies on the Abuse of Reason (1952): Hayek critica nessa obra o cientismo, ou tendência de imitar nas ciências sociais os métodos que os positivistas atribuem erroneamente às ciências naturais. O cientismo é associado ao racionalismo construtivista: o desprezo pelos limites do conhecimento humano levam a falta de apreço pela liberdade e confiança na capacidade de planejamento central.
  • Os Fundamentos da Liberdade (1960): tomando como base um liberalismo baseado no falibilismo, ou seja, no reconhecimento das implicações do conhecimento falível, Hayek procura estabelecer o conjunto de instituições compatíveis com uma sociedade livre.
  • Studies in Philosophy, Politics and Economics (1967): coletânea de vários artigos, entre os quais o fundamental The Theory of Complex Phenomena.
  • New Studies in Philosophy, Politics, Economics and the History of Ideas (1978): coletânea de vários artigos, entre os quais o fundamental Competition as a Discovery Procedure.
  • Direito, Legislação, e Liberdade (3 vols. 1970-73-79): contém sua teoria sobre ordens espontâneas, crítica ao conceito de justiça social, relação entre racionalismo e política, teoria de evolução social e propostas de reforma constitucional.


Pequenos Guias para Grandes Ideias é a mais nova série educacional do SFLB. Cada post é uma introdução a um importante pensador libertário, escrito para dar aos alunos com mentes abertas, um ponto de partida. Estes guias são entendidas como amostras, não resumos, das grandes mentes que contribuíram para as ideias de liberdade. Convidamos o professor de economia da FEA-USP de Ribeirão Preto Fabio Barbieri para escrever esse pequeno guia. 

Este artigo não necessariamente representa a opinião do SFLB. O SFLB tem o compromisso de ampliar as discussões sobre a liberdade, representando uma miríade de opiniões. Se você é um estudante interessado em apresentar sua perspectiva neste blog, envie um email para [email protected] e [email protected]

Volte para o blog

Leave a Reply

Your email address will not be published.

X